Interview with Júlia Lucy, First-Term District Deputy in Brasília | Wilson Center

Interview with Júlia Lucy, First-Term District Deputy in Brasília

This interview is also available in Portuguese, following the English version below / A entrevista está disponível em português, sob a versão em inglês.

Júlia Lucy was elected to the Federal District’s legislative assembly with 7,665 votes in 2018, in her first political campaign as part of the Novo party. A political scientist by training, Lucy is the founder and president of #LigaDelas, a startup focused on female entrepreneurship and social transformation through professional capacity-building programs for women in vulnerable situations. She is focused on fostering entrepreneurship and innovation, and as a district legislator intends to push for greater implementation of technology in the public sector to deliver the quality services that citizens, as taxpayers, deserve in areas such as health, education, and public security. Lucy also believes that voters’ decision-making power should not be restricted only to elections, and defends collaborative mandates (she relies on a large team of volunteer consultants). Lucy, age 33, graduated from the University of Brasília (UnB) with specializations in public policy, government management, and project management. She has worked in the public sector since age 18.

The following conversation has been condensed and edited for clarity. The views and opinions expressed below are the interviewee's own, and do not necessarily reflect the views of the Brazil Institute or the Wilson Center.

Could you tell us a bit more about your work before becoming a district-level congresswoman? What about your participation in the Câmara + Barata project?[1]
I graduated [with a degree] in political science. I passed my first admissions test for the civil service when I was eighteen years old. Before becoming a district deputy [a member of the Federal District’s legislative assembly], I had always worked in the civil service: my last position was as a project manager at the National Council of Justice (CNJ). As for the Câmara + Barata project, it was part of my campaign. I signed it, defended it, and advocated for it, and I fully support it.
 
Why did you decide to run for office and enter politics?
Because I think we all have an obligation to try to make a difference. Because I believe that I can [make a difference]. Because when I was already established as a public servant, I began to feel that I not only could, but in fact needed to do more as a citizen. So I dedicated myself to developing a business that would be able to catalyze this feeling. That was how #LigaDelas came about. [It is] a platform to support and educate women, which aims to foster female entrepreneurship, build connections, new businesses, the exchange of services and partnerships, and social transformation through capacity building. Our target audience is women in situations of social vulnerability. 
 
The invitation to join the partido Novo (New Party) came at that moment. I believe that—because it is composed of people outside of traditional politics, because it is not a dissent against any other party, nor does it accept accords or coalitions—it is a party that can translate the new feelings of voters. I received invitations to join other parties, but in none of them did I find the unconditional defense of greater autonomy and individual freedom, limiting state interference, reducing the tax burden, and improving the quality of essential services such as health, security, and education. I accepted the challenge because I am certain that, as a district deputy, my capacity to transform people’s lives is greater.
 
What are the proposals of the partido Novo? Could you explain your position and opinions about them? What projects do you intend to focus on and prioritize as a congresswoman?
The partido Novo defends the construction of a country in which merit depends exclusively on individual effort, and where being in politics does not mean making money through politics. No political privileges, no patronage. We believe in dialogue, in the construction of collective mandates, where citizens are invited to participate and, above all, assist us with oversight. We must join our efforts so that together we can promote dialogue between diverging opinions and positions. That is the essence of democracy, especially in a pluralistic society like ours. NOVO seeks efficient public services, a lean state, and the rational use of taxpayers’ money. Enough wasting of [the fruits of] our labor. 
 
I advocate for the empowerment of women in situations of social vulnerability. For this, it is necessary to create more slots in daycare centers. I also support focusing on urban mobility problems. To this end, I have been using public transportation in order to inspect it. I will fight for the expansion of the subway to other regions of the Federal District and for the extension of Bus Rapid Transit (BRT). My main priorities, besides the ones I already mentioned, are to foster entrepreneurship and innovation as mechanisms to increase employment and income. Another potential market is tourism. I defend granting concessions [for the private management] of parks, the zoo, and the racetrack so that they stop adding costs to society. The W3 Avenue [in Brasília] can be recovered and transformed into the largest collaborative art gallery in Brazil. I will also be paying close attention to the demands of the population in Brasília. I know that health, quality education, and security are among the most urgent needs, and I plan to concentrate my efforts in these areas.
 

As the Special Prosecutor for Women[2] for the Legislative Chamber of the Federal District (CLDF), I will work so that the entrepreneurial spirit of Brazilian women will directly benefit our society. Brasília must indeed become the modern, monumental, and digital capital of Brazil. That is what I defend: changing the economic matrix of the Federal District through incentives for entrepreneurship.

 
How did you get the idea to start the #LigaDelas organization?  Can you describe the organization's goals and objectives? What have you learned, as president, about the rights and the value of women in Brazil?
The #LigaDelas was born out of a desire to empower female agency—among women and for women—inspiring them to occupy their desired professional spaces. #LigaDelas promotes female entrepreneurship, building connections, new businesses, the exchange of services and partnerships, and social transformation through professional capacity building for women in situations of social vulnerability. The idea is also inspired by the United Nations HeForShe campaign. That is to say, men willing to collaborate are most welcome. After six months of working on the initial idea, #LigaDelas went from paper to reality on April 12, 2018 with a pre-launch event that was attended by sixty people, both men and women.
 
As president, I learned that we, women, are references for each other about how to occupy spaces in society. Our project aims to stimulate the development of not only new forms of business, but also the use of creativity and new technologies; and to foster an entrepreneurial spirit. I was also able to see that there is an incentive gap for women to pursue professional growth, to take risks, or take on managerial and leadership roles. On the other hand, I saw up close how an increase in the number of financially independent women and women in leadership positions is capable of breaking the barriers of inequality. Finally, I learned that women go further together than when they compete.
 
Did you experience resistance to your candidacy or to the establishment of #LigaDelas?
I encountered the usual challenges, like lack of resources (I ran the campaign with my own money and with the support of online donations), and the need to confront the barriers that every woman must face to guarantee that she is heard. I needed—and still need, in many meetings of the CLDF —to show that I have things I want to say and that I deserve to be heard. As for #LigaDelas, it was not much different. In truth, we donate our time and efforts because we believe in people’s potential, especially women who otherwise would not be able to engage in entrepreneurial activities or to become financially independent. However, in both cases, there was nothing that I was not able to overcome.
 
There is a lot of polarization and unfamiliarity in Brazil about feminism and now also about gender politics—what do you have to say about the discourse? Do you consider yourself a feminist?
I believe in female potential. I believe in our ability to overcome adversity. I myself had to overcome several obstacles. I confronted the challenge of motherhood at the age of eighteen. I always looked for a job, rather than a career. Despite the support of my family, it was not easy. But I never stopped believing in myself. Now, I am not the kind of feminist who believes in things like a quota system for women. I don't see the point. We can compete on equal terms. So, we first must define what it means to be a feminist. I stand for equality.
 
There was a lot of polarization and misinformation in this election—do you think that, despite this, public engagement has improved? What do you think will happen regarding political participation and polarization?
I think engagement is independent of this polarization. Most Brazilians want neither extreme. They do not want radicalism. They want to work, to provide, to have the right to quality public services. I think this polarization story is over. That is not the type of politics we want.
 
How do you think the election will affect innovation and entrepreneurship in the country? What about female representation in politics?
The election showed that Brazilians are no longer willing to bear the costs of a paternalistic state, from which everyone seeks solutions to their helplessness. The creative soul of the Brazilian people needs to be stimulated. That is the message from the polls. Entrepreneurship, especially from women, has often come from a need to reconcile and overcome difficulties such as unemployment, the need to be present in their children’s lives, and the urge for financial independence. Many small businesses were born this way and have become success stories. Those supported by #LigaDelas are one example.
 
I believe women and men should seek their place in the labor market, in politics, and the world, on their own terms. We do not need protection. We need conditions [that allow us] to compete on an equal footing with men. We need daycares for our children so that we can have peace of mind. I also support nighttime childcare, for those who need to study or work [during those hours]. Some of us also need shelter. Women in situations of violence need protection to rebuild their lives. That is why I fight for the Casa da Mulher Brasileira (Brazilian Woman’s House), which in Brasília was closed because it did not meet the minimum standards to operate. 
 
You obviously believe that it is possible to reform the current political situation. How and why?
I absolutely believe it [is possible]. The results at the polls [in October 2018] show that hope remains present. On the other hand, they also show that Brazilians are tired of the old way of doing politics. But I think I've said enough about this above.
 
How can those of us who live outside of Brazil help or support these changes while abroad?
I think that [people who live outside of Brazil can help] mainly by believing in the creative capacity of Brazilians, investing in our technology and innovation projects. Exchanging experiences. Giving seminars. Teaching.
 

[1] The “Câmara Mais Barata” proposal aims to improve the quality of spending on living costs and other expenses for members of the Federal District’s legislative body, to reduce waste (and thereby cutting costs) while improving transparency and accountability. For more information, click here.

[2] The Special Prosecutor for Women is responsible for supervising the implementation of government programs aimed at gender equality, promoting research on violence against women, and combatting and denouncing cases of harassment, among other functions. For more information, click here.
 
--

 

Entrevista com Júlia Lucy, deputada distrital em primeiro mandato

 
Júlia Lucy foi eleita deputada distrital pelo partido Novo em 2018 com 7.665 votos em sua primeira disputa eleitoral. Ela é cientista política, empreendedora e fundadora da #LigaDelas, startup voltada para o empreendedorismo feminino e a transformação social por meio da capacitação profissionalizante de mulheres em situação de vulnerabilidade social. Lucy é apaixonada pelo empreendedorismo e inovação, ansiosa pela implantação de ferramentas tecnológicas no setor público (saúde, educação e segurança, por exemplo), a fim de devolver ao cidadão em forma de serviços de qualidade toda a carga tributária que lhe é cobrada. Defensora de que o poder de decisão do povo não deve ser restrito ao período eleitoral, ela acredita firmemente que é possível fazer um mandato colaborativo e conta com uma grande equipe de consultores voluntários. Lucy, 33, é formada pela Universidade de Brasília (UnB), especializada em Políticas Públicas, Gestão Governamental e Gerência de Projetos. Lucy é funcionária pública de carreira desde os 18 anos. 
 
Poderia nos contar um pouco mais sobre suas especialidades e profissão antes de virar deputada? E sobre sua participação no projeto Câmara + Barata?
Fiz graduação em Ciência Política. Passei no meu primeiro concurso público aos dezoito anos. Antes de me tornar deputada distrital, sempre atuei no serviço público: ultimamente como gestora de projetos do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Sobre a Câmara + Barata, foi uma bandeira de campanha. Assinei o projeto, defendi, divulguei e apoio totalmente.
 
Por que você decidiu se candidatar e entrar para a política?
Porque acho que todos temos a obrigação de tentar fazer a diferença. Porque eu acredito que eu posso. Porque quando já estava estabelecida como servidora pública, comecei a achar que podia e precisava fazer mais como cidadã. Assim, passei a me dedicar a estruturar um negócio que fosse capaz de catalisar esse sentimento. Foi assim que surgiu a #LigaDelas, uma plataforma de suporte e rede de ensino para mulheres que visa a fomentar o empreendedorismo feminino, a construção de conexões, novos negócios, a troca de serviços e parcerias e a transformação social por meio da capacitação. Nosso público-alvo são as mulheres em situação de vulnerabilidade social.
 
O convite para me unir ao NOVO veio nesse momento. Acredito que—por ser composto por pessoas de fora da política tradicional, por não ser uma dissidência de qualquer legenda e por não aceitar acordos ou coligações—é um partido que pode traduzir o novo sentimento do eleitor. Recebi convites de outros partidos, mas, em nenhum deles eu encontrei a defesa incondicional de maior autonomia e liberdade do indivíduo, redução das áreas de atuação do Estado,  diminuição da carga tributária e melhoria na qualidade dos serviços essenciais, como saúde, segurança e educação. Aceitei o desafio porque estou certa de que, como deputada distrital, minha capacidade de gerar transformação na vida das pessoas pode ser maior.
 
Quais são as propostas do partido Novo? Poderia nos explicar seu posicionamento e suas opiniões sobre elas? Quais propostas e assuntos você pretende focar e priorizar como deputada?
O partido Novo defende a construção de um país onde o mérito dependa exclusivamente do esforço pessoal. E onde fazer política não signifique lucrar com a política. Nada de privilégios, nada de indicações políticas. Acreditamos no diálogo, na construção de mandatos coletivos, onde o cidadão seja convidado a participar e, sobretudo, nos auxiliar a fiscalizar. Devemos somar nossos esforços, para que possamos juntos promover o diálogo entre opiniões e posicionamentos divergentes. Isso é próprio de uma democracia, especialmente em uma sociedade plural como a nossa. Buscamos serviços públicos eficientes, um Estado enxuto e o uso racional dos impostos dos contribuintes. Chega de esbanjar o suor de todos nós.
 
Defendo a capacitação das mulheres em situação de vulnerabilidade social. Para isso, é necessário criar mais vagas em creches. Também defendo focar nos problemas de mobilidade urbana. Para isso, tenho usado transporte público como forma de fiscalização. Vou lutar pela expansão do metrô para outras regiões do DF e pela expansão do BRT. Meus principais focos, além dos citados, são fomentar o empreendedorismo e a inovação como mecanismos de ampliação de emprego e renda. Outro mercado potencial é o turismo. Defendo a concessão de parques, do zoológico, do autódromo, para que isso pare de representar custo para a sociedade. A avenida W3 pode ser recuperada e transformada na maior galeria colaborativa de arte do Brasil. Também vou estar atenta às principais demandas da população de Brasília. Sei que saúde, educação de qualidade e segurança estão entre as necessidades mais urgentes e é nisso que pretendo centrar esforços. 
 
Como procuradora da mulher da CLDF, vou trabalhar para que o espírito empreendedor das brasilienses seja revertido em benefício de nossa sociedade. Brasília precisa, de fato, se tornar a capital moderna, monumental e digital do Brasil. É isso que eu defendo: a mudança da matriz econômica do Distrito Federal, por meio do incentivo ao empreendedorismo.
 
Como você teve a ideia de fundar a organização #LigaDelas? Você pode descrever os objetivos e as propostas da organização? O que você aprendeu, como presidente dessa organização, sobre os direitos e o valor da mulher no Brasil?
A #LigaDelas nasceu do desejo de potencializar o protagonismo feminino entre mulheres e para mulheres, inspirando-as a ocupar os espaços profissionais que quiserem. A #Liga Delas promove o empreendedorismo feminino, a construção de conexões, novos negócios, a troca de serviços e parcerias e a transformação social por meio da capacitação profissionalizante a mulheres em situação de vulnerabilidade social. A ideia também é inspirada no conceito He for She da Onu. Ou seja, homens dispostos a colaborar são muito bem-vindos. Após seis meses de amadurecimento da ideia inicial, o Projeto #LigaDelas saiu do papel em 12 de abril de 2018, com a realização do pré-lançamento, que contou com a presença de 60 pessoas, entre homens e mulheres.
 
Como presidente, aprendi que nós, mulheres, somos referências umas para as outras sobre como ocupar espaços na sociedade. Nosso projeto pretende estimular o desenvolvimento não só de novas formas de negócios, como o uso da criatividade, de novas tecnologias e fomentar o espírito empreendedor. Também consegui ver claramente que há uma lacuna de incentivos para que as mulheres possam almejar crescimento profissional, arriscar-se ou ocupar cargos de gestão e liderança. Por outro lado, pude ver de perto que o aumento do número de mulheres financeiramente independentes e de mulheres ocupando funções de liderança é capaz de romper as barreiras da desigualdade. Finalmente, aprendi que, juntas, as mulheres vão mais além do que quando competem.
 
Na sua experiência, você encontrou resistência a se candidatar ou para estabelecer o #LigaDelas?
Encontrei os desafios normais, como os poucos recursos (fiz a campanha com verba própria e vaquinha virtual), a falta de recursos, a necessidade de enfrentar barreiras que toda mulher precisa enfrentar para garantir seu lugar de fala. Precisei—preciso ainda, em muitas das reuniões aqui na CLDF—mostrar que eu tenho o que dizer e que mereço ser ouvida. Com relação ao #LigaDelas, também não foi muito diferente. Na verdade, nós doamos nosso tempo e nossos esforços porque acreditamos no potencial das pessoas, especialmente de mulheres que, de outra forma, não teriam como empreender ou mesmo ser independentes economicamente. Mas, em ambos os casos, nada que eu não tenha conseguido superar.
 
Existe muita polarização e desconhecimento no Brasil sobre o feminismo e agora também sobre a política do gêneroo que você tem a dizer sobre esses discursos que circulam? Você se considera feminista?
Acredito no potencial feminino. Na nossa capacidade de superar adversidades. Eu mesma tive muitos obstáculos a superar. Enfrentei o desafio da maternidade aos dezoito anos. Sempre procurei por trabalho e não por emprego. Apesar de todo o aparato familiar com que contei, não foi fácil. Mas nunca deixei de acreditar em mim. Agora, não sou do tipo feminista que acredita em coisas como sistema de quotas para mulheres. Não vejo sentido nisso. Podemos competir em igualdade de condições. Então, precisamos definir, primeiro, o que é ser feminista. O que eu defendo é igualdade.
 
Houve muita polarização e desinformação esta eleição—você acha que, apesar disso, o engajamento do público melhorou? O que você prevê em relação à participação política e à polarização?
Acho que o engajamento independe dessa polarização. A maioria dos brasileiros não quer uma coisa nem outra. Não quer radicalismos. Quer trabalhar, produzir, ter direito a serviços públicos de qualidade. Acho que essa história de polarização está encerrada. Não é esse o tipo de política que queremos.
 
Como você acha que a eleição vai afetar a inovação e o empreendedorismo no país? E a representação feminina na política?
A eleição mostrou que o brasileiro não está mais disposto a arcar com os custos de um Estado paternalista, onde todos buscamos as soluções para o nosso desamparo. A alma criativa do brasileiro precisa de estímulo. Esse é o recado das urnas. O empreendedorismo, especialmente das mulheres, muitas vezes partiu de uma necessidade de conciliar e superar dificuldades como o desemprego, a necessidade de estar presente na vida dos filhos e a urgência pela independência financeira. Muitas pequenas empresas nasceram assim e se tornaram casos de sucesso. Um exemplo são as apoiadas pela #LigaDelas.
 
Defendo que mulheres e homens busquem seu espaço no mercado de trabalho, na política e no mundo, por seus próprios meios. Não precisamos de proteção. Precisamos ter condições de competir em pé de igualdade com os homens. Precisamos de creches para deixar nossas crianças e que isso nos garanta tranquilidade. Defendo também creches em horário noturno, para as mulheres que precisam estudar, ou mesmo trabalhar. Algumas de nós também precisam de acolhimento. Mulheres em situação de violência precisam de proteção para reconstruir suas histórias. Por isso, luto pela Casa da Mulher Brasileira que, em Brasília, chegou a fechar por falta de condições mínimas de funcionamento.
 
Você obviamente acredita que é possível reformar a situação política atual. Como e por quê?
Acredito plenamente. Os resultados das urnas mostram que a esperança ainda está presente. Por outro lado, também mostram que o brasileiro está cansado da velha forma de se fazer política. Mas acho que já falei bastante sobre isso acima.
 
Como que nós que moramos fora do Brasil podemos ajudar ou apoiar essas mudanças estando fora do país?
Acho que, principalmente, acreditando na capacidade criativa dos brasileiros. Investindo em nossos projetos de tecnologia e inovação. Trocando experiências. Ministrando seminários. Ensinando.
 
 
Image by Assessoria de Imprensa/ Júlia Lucy
Sabrina is currently a sophomore at Georgetown University pursuing a bachelor's degree in International Politics with a certificate in Latin American Studies. She interned at the Brazil Institute in Spring 2019. 
More posts by Sabrina Magalhaes
Nick received his B.A. in history from Stanford University. His interests include foreign policy and intellectual history in Europe, America and Brazil. His writing has appeared in Foreign Affairs and other publications. He interned at the Brazil Institute in Spring 2019.
More posts by Nick Burns