Interview with Tiago Mitraud, Federal Deputy and Leader of RenovaBR | Wilson Center

Interview with Tiago Mitraud, Federal Deputy and Leader of RenovaBR

This interview is also available in Portuguese, following the English version below / A entrevista está disponível em português, sob a versão em inglês.

Tiago Mitraud was elected federal deputy in 2018, at age 32, as part of the New Party (Partido Novo), representing the state of Minas Gerais. He is a leader of the RenovaBR movement, which aims to promote transparency and renewal in Brazilian politics. Before joining political life, Tiago was president of the Brazilian Confederation of Junior Companies (Brasil Júnior) and the executive director of Fundação Estudar, a nonprofit organization that supports the personal and professional development of young people. He holds a bachelor's degree in Business Administration from the Federal University of Paraná (UFPR).

The following conversation has been condensed and edited for clarity. The views and opinions expressed below are the interviewee's own, and do not necessarily reflect the views of the Brazil Institute or the Wilson Center.

Youth involvement in Brazilian politics is growing. What inspired you to run for office in 2018? Which issues do you intend to prioritize?

The main factor that led me to [run for] public office was my dissatisfaction with the way politics was being conducted in Brazil. I think this became very clear to many people over the last decade, and we realized that society’s inaction certainly did not help Brazilian politics—and as a result, the country’s performance as a whole was damaged. When it comes to priorities, the first issue is raising the ethical standards of politics. We watched all the investigations and arrests that resulted from the unethical behavior of people in positions of power in Brazil.

Obviously, simply acting ethically is not the only thing expected from a congressman: we have to do much more. Our vision is very focused on reducing the size of the state. Over the last few decades, Brazil developed an excessively large state, which has been prejudicial to the nation. We need to cut the state down to a size that makes sense for our country. I also work hard on education, especially with regards to prioritizing primary education. 

Before running for Congress, you were the executive director of Fundação Estudar, which trains young professionals and aims to increase their engagement in national development. Is it possible to positively impact public policy from the private sector? How do we bridge the divide between the public and private sectors?

It is certainly possible to have an impact from the private sector. In Brazil, many advancements were made possible by private sector initiatives. It is natural for nonprofit organizations to convey and implement the interests of specific groups, which is exactly what we did at Fundação Estudar. The founders and other supporters (as the organization expanded) firmly believed in the mission to assist young people with great leadership potential. The Foundation has been doing this work for almost thirty years.

Regarding the intersection of the public and private sectors, I believe the main thing is for the public sector to avoid hindering private sector activities, since the private sector represents specific groups’ interests and has its own funding. The public sector should not intervene in legal, legitimate activities. Regarding the current situation in Brazil, where much of the time we see public sector inaction, or lack of capacity to act, the private sector can be very useful in helping the public sector become more efficient and ethical. I was supported by private institutions that are working on political renewal in Brazil—I think this is an interesting path as well. 

Education was a key part of your platform. A recently-announced federal budget cut could aggravate the existing crisis in education. What do you think are the ways to improve public education in Brazil?

These budget cuts are recurring. They happened under the Dilma [Rousseff] administration, the Lula administration, and now they are happening under Bolsonaro for a simple reason: the budget approved in Congress ends up authorizing an unrealistic amount of resources, considering the country’s critical fiscal situation. Then, throughout the year, the government readjusts spending to match the fiscal reality, and it always ends with cutting anything that can be cut, since certain mandatory expenses cannot be cut, such as the public payroll and pensions. Today, the government has flexibility to cut expenses only in the areas where it should be investing more, which is public services.  

The first thing that needs to be done is a restructuring of public accounts. We need pension reform, otherwise retirement will consume more and more space in the budget and there will be fewer resources left for public services. We also need an administrative reform so the state can reduce the number of public employees, since the current [fiscal] situation has severely limited the actions we can take. And it is necessary to delink revenue [from expenses]: currently, the executive—whether at the federal, state, or municipal level—receives a budget with certain revenues linked [to specific, constitutionally-mandated expenses], and there is nothing to be done about it. There is no room to accommodate the needs and realities of each year. We need these three measures to make the budget more flexible and give subsequent governments other options besides cutting education resources. 

On the other hand, Brazilian public higher education could have other sources of income. Around the world, public universities receive funding through company sponsorships, private financing for research, and tuition fees from students who can afford to pay. In Brazil, public universities’ funding comes almost exclusively from the government. If that does not change, the universities will always be subject to budget cuts according to government needs. Opening Brazilian universities to other sources of income is essential for universities to become less susceptible to the fiscal crises this country experiences from time to time. 

The quality of higher education is superior to that of basic education. What explains this gap and how can we overcome it? Can international cooperation help Brazil address this issue? 

Basic education was never really prioritized in Brazil. Unfortunately, for a long period, policies were not directed at the people who needed them most. A more privileged segment of the population has always dominated higher education in Brazil, and they managed to bring attention and resources to higher education at the expense of basic education, which serves lower income and more vulnerable populations. This is the logic of Brazil in many sectors. Now we need to prioritize basic education as a country. 

I think international cooperation and comparisons with other countries are always helpful, but we are fully capable of solving the issues internally, if we prioritize primary education as essential for growth and to improve quality of life. What happened was a lack of attention and a lack of targeted public policies aimed at improving primary education.

Pension reform is the current topic on the agenda. You recently claimed that pension reform is more than a fiscal issue; it is also a social justice issue. How will the reform impact income inequality in Brazil? How do you assess the pension reform bill presented by the government? 

Today, the [segment of the] population that has the highest income and highest education retires much earlier than the lowest income population, enjoying longer retirements, and [yet] the system is financed by all workers, most of whom are low income. There is an inversion of values, in which the largest share of the population, which is low income, contributes to a system that particularly privileges the higher-income population. Just 3 percent of pension transfers goes to the poorest 20 percent of the population, while 40 percent goes to the richest 20 percent. It is an absurdity and an injustice. 

The reform, beyond correcting these discrepancies [through] establishing the same rules for everyone, will also demonstrate to foreign investors and the private sector—which is holding off on new investments due to economic uncertainty—that they can invest in Brazil once again. As soon we manage to pass this reform, I am certain that these [individuals and companies] will feel better about investing in Brazil. If we approve a reform that brings consequential changes to the pension system, it will bring back jobs and investments. So, [pension reform] is essential, in my opinion. In addition to bringing justice to the way retirement is done in Brazil, ending the privileges that exist within our pension system, I think [pension reform] will reestablish the country's investment potential.

I think the draft presented by the government is good. We should pursue the goal of generating R$1 trillion in savings in ten years’ time. A few adjustments could be made—we have presented several proposals to the lower house’s Special Committee, but we believe the draft as is would already lead to positive reform.

Those who oppose pension reform usually defend tax reform as more efficient in terms of generating social justice, especially considering that Brazil has a regressive taxation system. What do you think about this?

We need both tax and pension reform. The people who are opposing pension reform were in power for sixteen years and did not reform the tax system, so I question their true intentions in opposing pension reform. If they really want to pursue [tax reform], we can join forces. 

Our tax system is extremely complex. A World Bank study showed that out of 190 countries, Brazil has the world’s sixth most complex tax system. This complexity harms the small entrepreneur, who cannot afford having an accounting department within his or her company and does not have the knowledge to deal with Brazilian bureaucracy. Thus, I am strongly in favor of a tax reform that simplifies the system. It is also essential for the country. But this discussion has to be parallel to pension reform. There is no need to do tax reform first and pension reform after that. 

Brazil is a very unequal country, which generates great differences in opportunity. Is it possible to speak of meritocracy in such a context?

Certainly. We must separate discussions about meritocracy and the lack of equality and opportunities. Our country does not offer equal opportunities for all. Depending on where you are born and who your parents are, your future may go on a totally different path than another person’s—but independently of where you are born, you have to believe in your own capacity to go far. To me, this is what meritocracy means: it is doing [the work necessary] to earn success, while recognizing that, unfortunately, due to conditions the country does not offer, some people will not start on a level playing field. We need to combat this inequality of opportunity. Our goal should be that every child, regardless of where he or she is born, and of who their parents are, are given equal conditions to compete. That is what I am doing in the Chamber of Deputies, what I aim to do along with my party and other people. But regardless of the circumstances of one’s upbringing, it is also necessary to work hard. The implementation of meritocracy as an important part of organizational culture is essential for people to thrive. 

What is your advice for young people who wish to pursue a career in public service and have a role in governing the country?

The earlier you get involved, the better. The more experiences you have before entering public life, the more prepared you will be, the more opportunities you will have. 

Also, view politics as a contribution that we must all give to society and not necessarily as a way of life. I see my time in the Chamber of Deputies as a contribution. I do not know if it will last four or eight years, but certainly no more than that. [Being a] congressman is not my career, my long term plans are not to stay in the Chamber, but this is a contribution I am making. Young people should think about what they want from life. The greater one’s public vocation—the desire to contribute to society—the better, especially given Brazil’s current situation. But a political career should not be seen as the only option. 

On the other hand, independent of career path, everyone should at least contribute to the public sector by voting as a conscious citizen. If you can contribute in other ways, even better, because in order to change the way politics is done in Brazil, we need everyone’s support. Brazilian society cannot turn its back as it has done for the past few decades. 

--

Eleito em 2018, com 32 anos, Tiago Mitraud é deputado federal pelo Partido Novo e representa o estado de Minas Gerais. Ele é um dos líderes do movimento RenovaBR, que busca promover transparência e renovação na política brasileira. Antes de ingressar na vida política, Tiago foi Presidente da Confederação Brasileira de Empresas Juniores (Brasil Júnior–BJ) e diretor executivo da Fundação Estudar, uma organização sem fins lucrativos que busca apoiar o desenvolvimento pessoal e profissional dos jovens. O deputado é formado em Administração pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). 

Estamos vendo um movimento crescente do envolvimento de jovens na política. O que te inspirou a candidatar-se para a Câmara dos Deputados em 2018? Quais pautas você pretende priorizar? 

O que me trouxe para a vida pública foi minha insatisfação com a forma como a política vinha sendo tocada no Brasil. Acho que isso ficou muito claro para muita gente ao longo dessa década e percebemos que a inação da sociedade certamente não ajudou a política brasileira e, em consequência, o desempenho do país como um todo foi prejudicado. Em relação às pautas, um primeiro ponto é a moralização da atividade política. Assistimos à todas as investigações e prisões, resultantes de atitudes não éticas tomadas por pessoas em posições de poder no Brasil.  

Obviamente, simplesmente ter uma atitude correta não é [a única coisa] que se espera de um parlamentar, temos que fazer muito mais. Temos uma visão muito focada em reduzir o tamanho do Estado. O Brasil ao longo das últimas décadas acabou gerando um gigantismo do Estado, o que tem sido prejudicial. Precisamos recolocar o Estado em um tamanho que faça sentido para o país.  Também atuo com afinco na pauta da educação, especialmente a priorização da educação básica.

Antes de se candidatar, você foi o diretor executivo da Fundação Estudar, cujo um dos objetivos é impulsionar a formação de jovens profissionais aumentando o engajamento com a construção do país. É possível causar impacto efetivo e positivo nas políticas públicas do país pertencendo ao setor privado? Qual você acha que é o melhor caminho para a intercessão dos setores público e privado? 

Com certeza é possível causar impacto pertencendo ao setor privado. No Brasil,  muitos avanços foram causados por iniciativas do setor privado. É natural  que interesses de determinados grupos sejam traduzidos e implementados por organizações não governamentais e é justamente o que fazíamos na Fundação Estudar. O grupo de fundadores e, à medida que foi expandindo, os demais apoiadores acreditam muito nessa causa de apoiar jovens com grande potencial de liderança. Há quase trinta anos [a Fundação] vem fazendo esse trabalho. 

Em relação a intercessão entre o caminho dos setores público e privado, acredito que o principal é o setor público não atrapalhar a atuação do setor privado, uma vez que o setor privado atua com interesses de grupos específicos e com recursos próprios. O setor público tem que buscar não intervir em práticas licitas. Considerando a situação atual do Brasil, de muitas vezes uma inércia do setor público, ou da falta de capacidade de ação, o setor privado pode ser muito útil auxiliando o setor público a se tornar mais eficiente, mais ético. Eu fui auxiliado por algumas instituições privadas que estão trabalhando com a renovação política no Brasil, acho que esse é um caminho interessante também. 

Uma das suas maiores plataformas foi voltada para a educação. Recentemente foi anunciado um corte do orçamento federal que poderá agravar a crise já existente. Quais os caminhos para melhorar o setor?

Esses cortes são recorrentes, aconteceram no governo da Dilma, no governo do Lula e agora no governo do Bolsonaro por um motivo simples, o orçamento aprovado no congresso acaba autorizando um volume de recursos irreal dada a situação crítica do país. Então uma das coisas que o governo faz ao longo do ano é reajustar os gastos em função da realidade fiscal e acaba que sempre é cortado aquilo em que se tem a possibilidade de cortar, uma vez que não se pode cortar alguns gastos obrigatórios, de folha de pagamento, aposentadorias e outros. Hoje, o executivo apenas tem flexibilidade para cortar os gastos onde ele deveria mais investir, que são os serviços para a população. 

O primeiro a ser feito é uma reforma na estrutura das contas públicas. Precisamos reformar a previdência,  caso contrário, a aposentadoria ocupará um espaço cada vez maior no orçamento e sobrará menos recursos para os serviços públicos. Também precisamos fazer uma reforma administrativa para que o Estado possa diminuir o corpo de funcionários, pois hoje é extremamente limitado o que pode ser feito  nessa situação [de crise fiscal]. É preciso desvincular receitas. Hoje o Executivo, seja no nível federal, estadual ou municipal, assume um orçamento com receitas vinculadas e não há o que ser feito, não há nenhuma margem de manobra para atender as necessidades e as realidades de cada ano. São essas três medidas, digamos assim, que precisamos tomar para tornar o orçamento mais flexível e permitir que próximos governantes tenham outras opções e não precisem cortar recursos da educação.

Por outro lado, a educação superior brasileira pode ter outras fontes de receita. No mundo inteiro, existem universidades públicas que têm fontes de receitas vindo de patrocínio de empresas, financiamento privado de pesquisa ou cobrança de mensalidades e anuidades de alunos que podem pagar. E aqui no Brasil o orçamento das universidades públicas vêm quase exclusivamente do governo. Enquanto isso continuar assim, as universidades  estarão  sujeitas a cortes do orçamento de acordo com necessidades do governo. Abrir o ensino superior brasileiro para outras fontes de financiamento é essencial para que as universidades se tornem menos suscetíveis a essas crises fiscais que o país de tempos em tempos vive.  

A qualidade do ensino superior no Brasil é superior ao ensino básico. O que explica tamanha discrepância e como superá-la? A cooperação internacional poderia ajudar o Brasil a superar tais problemas?

O ensino básico nunca foi priorizado de verdade no Brasil. Infelizmente durante muito tempo as políticas públicas não foram necessariamente para quem mais precisava. Como o ensino superior no Brasil foi sempre dominado por uma parcela mais privilegiada da população, essa acabou conseguindo trazer atenção e recursos para o ensino superior em detrimento da educação básica que atende a população em geral mais carente e de baixa renda. Essa é a lógica do Brasil em inúmeros setores. Precisamos agora colocar a educação básica como prioridade do país. 

Acho que a cooperação internacional e a comparação com outros países ajudam sempre, mas temos total condição de internamente resolver os problemas se resolvermos priorizar a educação básica como essencial para o crescimento do país e para a melhoria da qualidade de vida da população. Então, o que aconteceu foi falta de atenção e de direcionamento das políticas públicas voltadas para a melhoria da educação básica. 

A pauta em voga no momento é a reforma da previdência. Você recentemente afirmou que a reforma da previdência é mais do que uma questão fiscal, é também de justiça social. Qual o impacto que a reforma pode ter em relação à desigualdade econômica no Brasil?  E como você avalia a proposta de reforma apresentada pelo governo? 

Hoje a população de mais alta renda e maior escolaridade se aposenta muito antes da população de baixa renda, usufruindo por mais tempo de aposentadorias, sendo que o sistema é financiado por 100 por cento dos contribuintes, que em sua maior parte são a população de mais baixa renda. Há uma inversão de valores, na qual a maior parte da população, que é de baixa renda, contribui para um sistema que privilegia especialmente a população de alta renda.  Apenas 3 por cento dos investimentos na previdência vão para os 20 por cento da população mais pobre. As aposentadorias mais bem pagas correspondem a 40 por cento dos recursos da previdência e vão para os 20 por cento da população mais rica. é uma injustiça absurda.

A reforma, além de corrigir essas discrepâncias, colocando uma régua igual para todo mundo, também vai demonstrar para investidores internacionais, para o setor produtivo, que estão segurando investimentos por insegurança em relação ao nosso futuro econômico, [que eles podem voltar a investir no Brasil]. Assim que conseguirmos aprovar essa reforma, tenho certeza que aqueles que estão segurando investimento vão voltar a investir. Se aprovarmos uma reforma que traga uma mudança significativa na previdência, isso vai voltar a gerar emprego e crescimento. Então, esse é um dos fatores essenciais a meu ver, além de trazer justiça para a forma como a aposentadoria é feita no Brasil, de acabar com esses privilégios que existem dentro do nosso sistema previdenciário, acho que vai retomar a capacidade de investimento do país. 

Em relação a reforma apresentada pelo governo, acho que ela é boa, a meta de ter uma economia de no mínimo um trilhão de reais em dez anos é um norte que temos que seguir. Um ou outro ajuste pode ser feito. Já apresentamos algumas propostas e vamos continuar apresentando nas próximas semanas na comissão especial da previdência, mas acreditamos que do jeito que está hoje já seria uma reforma bem positiva. 

Aqueles que se opõem à reforma da previdência costumam defender a reforma tributária como mais eficiente para gerar justiça social, especialmente considerando que o Brasil possui um sistema tributário regressivo. O que você pensa sobre isso?

Também precisamos de uma reforma tributária. Mas, não é por isso que não precisamos de uma reforma da previdência. Aqueles que estão se opondo à reforma da previdência ficaram 16 anos no poder e não fizeram uma reforma tributária. Então, eu questiono a real intenção dessa parcela de oposição em fazer essa reforma. Caso realmente queiram  fazer,  é positivo porque podemos unir forças.  

O nosso sistema tributário é extremamente complexo. Um estudo do Banco Mundial mostra que o Brasil tem o sexto sistema tributário mais complexo do mundo, considerando 190 países. Essa complexidade prejudica justamente o pequeno empreendedor que não tem condição de ter um departamento de contabilidade dentro da sua empresa, que não tem conhecimento suficiente para lidar com a tramitação da burocracia brasileira. Então, sou extremamente favorável a uma reforma tributária, especialmente com esse viés de simplificação do nosso sistema tributário. Também é essencial para o país. Agora, é uma discussão que tem que caminhar em paralelo à previdência, não vejo necessidade de se fazer primeiro uma reforma tributária para depois fazer a previdenciária. 

O Brasil é um país bastante desigual, o que gera grandes diferenças de oportunidades. Ainda é possível falar em meritocracia nesse contexto?

Com certeza. Temos que separar um pouco as discussões sobre a meritocracia e falta de igualdade e oportunidades. Com certeza nós temos um país que não apresenta igualdade de oportunidades para todos, dependendo de onde você nasce e de quem é filho, o seu futuro pode ir para um caminho totalmente diferente do outro, mas independentemente de onde nascer, você tem que acreditar na sua própria capacidade de chegar mais longe. Meritocracia para mim é isso, é fazer por merecer, mesmo sabendo que algumas pessoas, infelizmente, pelas condições que o país não oferece, surgem de patamares desiguais. Então, precisamos combater essa diferença de oportunidades. O norte deve ser que toda criança independentemente de onde nasça, de quem ela seja filho, possa ter condições iguais de competir. Isso é o que eu estou fazendo aqui na Câmara, o que eu busco fazer junto com o meu partido e inúmeras outras pessoas. Mas, independentemente do local e condições de nascimento, também é necessário fazer em ambientes de trabalho. A implementação da meritocracia como item importante na cultura organizacional é essencial para que as pessoas consigam chegar mais longe. 

Quais seus conselhos aos jovens que pretendem ingressar na carreira pública e ter um papel na governança do país?

Acho que o quanto antes se envolver melhor, quanto mais bagagem você tiver antes de entrar numa posição pública melhor, mais preparado você estará, mais experiências terá. Olhem também a carreira política como uma contribuição que todos nós temos que dar à sociedade e não necessariamente como um modo único de vida. Eu enxergo a minha passagem aqui pela Câmara, não sei se vai durar quatro ou oito anos, certamente não mais do que isso, como uma contribuição. A minha carreira não é deputado, meus planos de médio e longo prazo não são ficar a vida inteira aqui na Câmara, mas é uma contribuição que eu estou dando.

Então acho que o jovem tem que pensar naquilo que ele quer da vida dele, quanto mais ele tiver esse viés público de querer contribuir com a sociedade, melhor, especialmente dadas as condições atuais do Brasil, mas não se deve enxergar a carreira política como a sua única opção.

Por outro lado, independente de qual carreira que ele queira seguir, que busque contribuir com o setor público no mínimo sendo um cidadão consciente na hora do voto. Caso possa contribuir de mais formas, é melhor porque para mudar a forma como a política é feita no Brasil, precisamos do apoio de todos e a sociedade não pode mais virar as costas como fez ao longo dessas últimas décadas. 

 

Tags:
Lívia is a doctorate student in International Relations at the University of Campinas (UNICAMP), Graduate Program in International Relations “San Tiago Dantas” (UNESP, UNICAMP, PUC-SP). Her research analyzes U.S.-South American security relations, with a focus on the U.S. bilateral relationships with Brazil and Argentina. She interned at the Brazil Institute in Spring 2019. 
More posts by Livia Peres Milani