Interview with Claudinete Colé, ARQMO's First Woman Executive Coordinator

This interview is also available in Portuguese, following the English version below.

 

Claudinete Colé is 38 years old and self-identifies as quilombola, a self-declared ethno-racial group. Quilombolas were African slaves who escaped and formed independent settlements in Brazil. Today, the term applies to both their direct descendants and to those who inhabit remaining settlement territories, or quilombos. She is a member of the Boa Vista community, a remnant quilombo settlement in the municipality of Oriximiná, in the state of Pará. Claudinete has two degrees from technical school: one in environmental affairs and one in agriculture and cattle ranching. Currently, she is studying for her bachelor’s degree in information systems. Claudinete has been involved with the Associação das Comunidades Remanescentes de Quilombos do Município de Oriximiná (Association of Remaining Quilombo Communities of the Municipality of Oriximiná, or ARQMO) for seventeen years, participating in workshops and lectures. For the past three years, she has served as ARQMO’s Executive Coordinator, and was the first woman in her position.

Could you tell us a little bit more about the work of ARQMO?

I took on a coordinating role with the Associação das Comunidades Remanescentes de Quilombos do Município de Oriximiná (Association of Remaining Quilombo Communities of the Municipality of Oriximiná, or ARQMO) in 2015. I entered with the purpose of providing continuity to the work done by former coordinators and of doing some things that we saw as necessary—like giving more focus to the issue of land titles.

We view this as our main rallying point: to pursue land titles for quilombolas (quilombolas are a self-declared ethno-racial group. Originally, quilombolas were African slaves who escaped and formed independent settlements. Today, the term applies to both their direct descendants and to those who inhabit settlement reminiscing territories, or quilombos) who still don’t have them. We are experiencing lots of difficulties on the government side—the politics, actually—so we focus on mobilizing: making demands of the government agencies responsible for land titles, so we can move forward with paperwork [pertaining to lands in the municipality of Oriximiná] that had been shelved for more than ten years. And I thank God that we have succeeded in this area, because it is the main rallying point within our institution. That, and seeking to implement sustainability and social projects in the areas of education, sanitation, food, environment, income creation, and strengthening family agriculture—all fields.  

Our coordination team was able to carry out several important projects within the quilombola communities, with the support of several nongovernmental organizations (NGOs) and associations in our territory. Ecam [Equipe de Conservação da Amazônia or Amazon Conservation Team] was especially supportive. We met them at the very beginning of our operations [in year], and we have maintained a working partnership until the present. Today, we are already collecting the positive fruits of our labor. I am proud: in the 20-year history of our association, there had never been a woman serving as Executive Coordinator—they were always men—so we have also been able to show that quilombola woman can take on leadership roles within the community.  It shows that quilombola women can contribute more to the development of communities. We can participate in politics and meetings, and really take the lead, along with others, in achieving our dreams for our communities and for our people.

 

How did you initially become involved with this organization?

I started to participate just as a volunteer in my community, Boa Vista Trombetas, whenever we had workshops and meetings for ARQMO. I enjoyed participating, but I really wasn’t interested in assuming a [formal] role; I wanted to be there more as a volunteer, participating. During this period, I started to develop a love for the work I saw other coordinators doing, as they sought to bring about improvements within quilombola communities, embracing the most underprivileged and needy families. This motivated me to join the association. Coordinators at ARQMO are chosen by their territories.[1] My territory’s community saw that I participated a lot, in addition to my love for the work that I do, so they chose me as their representative [in year]. Then during an assembly meeting [in year], once I was already working with ARQMO’s administration, the director of the association’s board appointed me as Executive Coordinator. That was my path.

 

Your organization represents several different communities. What have you learned from the process of reconciling distinct interests?

ARQMO, as an association, [exists at the] municipal level. We say that [ARQMO is] a “parent” association, and under the larger umbrella it represents, we have smaller associations that represent each territory; the managers and public administrators in the case of quilombolas’ territories. And within these territories there are the quilombola communities. Each territory has its own community, [or communities]. ARQMO represents this range [of different communities]. [The land we occupy] is very large and quite extensive. There are thirty-seven communities with a population of approximately 10,000 quilombolas.[2] Each community has its unique characteristics, its ways of living, its customs, and its traditions, each one different from the other; they also have their own demands and necessities. So, ARQMO has to have proper perspective, design a strategic plan, and work with each community according to its realities.

[One of the first things I] recognized was that ARQMO, although the parent organization, did not have a general database of relevant information: how many families live in a community, how many children, what is the type of income these families have, what are the issues with habitation, water, electricity, health, the environment. We didn’t have the information to account for each community and each family. This situation led us to do a socio-economic survey, in partnership with Ecam; we were able to do a survey in almost all of the territories. We already knew some of the information about these communities, [such as the challenges] each one faces. What we didn’t have was documentation, which made the association’s work difficult. Using the survey’s information, the objective from here on out is to approach each community’s issues based on the results gathered. We now also have a foundation: we have documentation to be able to demand what is right from the municipality, the state government, and the federal government.

 

Does your work include dialogue with the government, or with political parties? If so, how?

As I mentioned, when we didn’t have documents [cataloguing ours needs], it was difficult to approach an institution or government agency and make a claim. This changes when you have a document, a tool. So you can better understand how this works, for example, a municipal government will support most of the communities [by providing] a generator, or some assistance with gas. Yet, we see that [the government] leaves other needs unattended—such as in health, education, housing—a series of things are neglected. When, for example, the municipality comes and says “We want to fix your generator,” we’ll say “No, our priority is not the generator, our priority is a medical clinic in the community, in accordance with our documents, [which are based on socioeconomic survey results]. If you want to help us, this is what you should do.” We can make demands in this way.

We have dialogue with political parties too. We tell them our priorities and seek the things that are most important for quilombolas. Today, that is education and health. Sometimes they will say “We want to help you with a tractor”—but this is not our priority, our priority is in the area of health. We want medical attention to be in the community, because we have a hard time getting to the closest city, which is Oriximiná, to receive medical treatment. So we want public health resources in the community. This is an example of how we work.

 

How do you think that the participation of women, Afro-descendants, and traditional populations in politics can grow (both locally and federally)?

At the moment, it looks like we have lost—it’s not that we have lost, actually, but that politics today is about exclusion. In Oriximiná, with the quilombolas people, we always talk about the need to make ourselves strong and put forward our representatives—black quilombolas—to enter politics, to be trained, to run [for office]. We have fought a long time for this, because if you don’t have representatives, who will give special consideration to the quilombo? If we do not have a representative present to make demands, or do not have a candidate, then we’ll always be voting for the same people, who don’t represent us and don’t have an interest in helping us—[they only care about] being elected with our votes.

 

In your experience, have you faced resistance to the inclusion of minorities in national politics? How do you think it is possible to overcome this?

[Working for the inclusion of minorities in mainstream politics] has to happen, and it should have happened for us a long time ago, because we are a large electorate. So we have to do this. We work a lot in quilombola areas on the issue of politics, so that people become aware that we shouldn’t sell our votes, or vote for a candidate just because they gave us a bit of diesel oil, a motor, or a canoe. Our priorities go far beyond these small crumbs.  We primarily need to put forward our own quilombolas candidates for Oriximiná. We believe that by beginning from the bottom, strengthening our representation here in the municipality, we will begin climbing up the ladder. It really is all about raising awareness.

 

How do you think that the elections can affect the future of groups like the quilombolas?

This is very complicated because among of the current candidates, there is not a single one that represents us. Well, we have Sandra from Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (National Coordination for the Articulation of Black Quilombola Rural Communities, or CONAQ) who is a pre-candidate for federal deputy. She could possibly be strong representation for us, and we will mobilize to support her even though she is not from our state. We know the work that she has been doing within CONAQ across Brazil, so she is one of our people and we should support her.

Now, the rest, it’s actually sad, because we know that the interests of these politicians aren’t our interests. They do not represent us. It’s already so bad, and I don’t believe that it will improve, but anything is possible, right?

 

Do you believe that it is possible to reform the current political situation? Why and how?

Look, it would be very difficult for [reform] to happen. It’s hard because our country is plastered with corrupt politics. We see the candidates that come forward: they’re all the children of politicians [who are already part of the system]. It’s a hierarchy: the father leaves [office], and the son enters or the daughter-in-law enters. These people run for office and they have their own personal interests. [They are] not interested in helping the Brazilian nation. They don’t have a vision oriented towards those that really need support.

I believe that [reform will] have to come from us, the Brazilian people. We have to mobilize and put forward new candidates; and we have to let go of the fear that we can’t do it. We can do it, because if we don’t, change will never happen and we’ll always be in this situation: at the mercy of these politicians.

 

The majority of our readers are Americans or Brazilians who live abroad. How do you think that they can help groups like the quilombolas?

From my perspective, people first have to understand that, in the face of all of the confusing and conflicting politics in our country, there are people and institutions that are generally of good character and that do good work.

That’s what we do here in this small corner hidden within the Amazon, surviving, so that we can obtain land titles and guarantee a piece of land for us to live on, for the future of our children and to preserve the land where we live. We know that the majority of politicians today look towards the economic development of the country, and we know that quilombolas’ lands—principally here in the Amazon and especially in Pará, which is a very rich state—are rich territories. There are marvelous rivers that have potential. So we think “In the future, there could be a mega-dam constructed [upriver] from my house, that will flood my house and the place where I live—but what about the energy produced?” Today, I use oil lamps in my house, and I ask myself: “Could it be that, when this mega-dam is completed, the energy will come to my house to somehow help me?” [But we know that] it won’t. It will go to other states, like it already does.

We know that there are people abroad that have a special perspective, that have a special place in their hearts for [quilombola] people. [Some of our people will go] and fight for a better quality of life, a college education, in order to be able to come back to help and contribute to their quilombos. In my personal opinion, I believe that in institutions both in Brazil and abroad people want to work with [quilombola] people, because they know this truth: this love that we have for the land, for the forest, for the Amazon. We preserve this place and in turn they understand this is our way of life, and the variety of things that we have to survive.


[1] There are eight different quilombola territories within the limits of the municipality of Oriximiná. Each territory has at least one quilombola community within its limits; some have between six and eleven. Each territory is governed by an association. ARQMO also oversees seven of those territories. ARQMO’s executive coordination is composed by nine appointed members, including the Executive Coordinator, or President. The selection process starts when each territory appoints three or four possible members. Then, during general assembly, ARQMO members chose seven members of the board of directors; the board is responsible for choosing the coordination members based on the initial appointees.    

[2] ARQMO oversees seven different territories. Within those territories, there are thirty-six different communities. Cachoeira Porteira, the eighth quilombola territory in Oriximiná, and its only community are not under ARQMO’s jurisdiction because it is geographically isolated and has been historically more independent.   

--

Entrevista com Claudinete Colé, a Primeira Mulher Coordenadora Executiva da ARQMO

 

Claudinete Colé tem 38 anos de idade e se identifica como quilombola, um grupo etno-racial autodeclarado. Originalmente, quilombolas eram escravos que escaparam e formaram comunidades independentes. Hoje, o termo se aplica tanto a seus descendentes diretos quanto a aqueles que habitam comunidades em territórios remanescentes de quilombos. Ela é membra da comunidade Boa Vista, uma comunidade remanescente de quilombo no município de Oriximiná, no estado do Pará. Claudinete é formada em dois cursos técnicos: meio ambiente e agropecuária. Atualmente, ela estuda para obter seu Bacharelado em Sistema da Informação. Claudinete tem participado em ações da Associação das Comunidades Remanescentes de Quilombos do Município de Oriximiná (ARQMO) por desessete anos, através de oficinas, palestras e cursos. Durante os últimos três anos, ela tem servido como Coordenadora Executiva da ARQMO, e foi a primeira mulher a assumir esse cargo.

Você poderia nos contar um pouco mais sobre o trabalho da ARQMO?

Eu assumi a coordenação da Associação das Comunidades Remanescentes de Quilombos do Município de Oriximiná (ARQMO) em 2015. Eu entrei com o propósito de dar continuidade ao trabalho feito por coordenadores anteriores e de fazer algumas coisas que nós vimos como necessárias—como dar maior enforque à questão de titulação de terras.

Nós percebemos esse como nossa maior bandeira: buscar títulos de territórios quilombolas (quilombolas são um grupo etno-racial auto-declarado. Originalmente, quilombolas eram escravos africanos que escaparam e formaram assentamentos independentes. Hoje, o termo é aplicado tanto a seus descendentes diretos quanto a aqueles que habitam territórios remanescentes destes assentamentos, ou quilombos) para aqueles os quais ainda não os têm. Nós experienciamos várias dificuldades por parte do governo—da política, na verdade—então focamos em mobilização: fazer demandas para agências governamentais responsáveis pela titulação de terras, para que nós possamos dar continuidade com documentos [referentes à terras na municipalidade de Oriximiná] que foram arquivados por mais de dez anos. E eu agradeço a Deus que nós temos sucesso nessa área, pois é a maior bandeira dentro da nossa instituição. Isso, e buscar implementar projetos de sustentabilidade e sociais nas áreas de educação, saneamento, alimentação, meio ambiente, geração de renda e fortalecimento da agricultura familiar—todos os campos.

Nosso time de coordenação foi capaz de desenvolver vários projetos importantes com comunidades quilombolas, com o apoio de várias organizações não-governamentais (ONGs) e associações no nosso território. A ECAM [Equipe de Conservação da Amazônia] foi especialmente solidária. Nós a conhecemos no começo da nossa gestão e mantemos uma parceria até o presente. Hoje, nós já estamos colhendo os frutos positivos do nosso trabalho. Eu tenho orgulho: nos 20 anos de história da nossa organização, nunca houvera uma mulher servindo como Coordenadora Executiva—apenas homens—então nós também temos sido capazes de mostrar que mulheres quilombolas podem assumir papéis de liderança em suas comunidades. Isso mostra que mulheres quilombolas podem contribuir mais para o desenvolvimento das comunidades. Nós podemos participar da política e de reuniões, e realmente assumir a liderança, em parceria com outros, em alcançar nossos sonhos para nossas comunidades e nosso povo.

 

Como você inicialmente se envolveu com essa organização?

Eu comecei a participar apenas como voluntária na minha comunidade, Boa Vista Trombetas, quando haviam oficinas e reuniões da ARQMO. Eu gostava de participar, mas eu não estava muito interessada em assumir um papel [formal]; eu queria estar mais como voluntária, participando. Durante esse período, eu comecei a ter um amor pelo trabalho que eu vi os outros coordenadores fazendo, a medida que eles buscavam trazer melhoras para as comunidades quilombolas, incluindo os mais necessitados e as famílias carentes. Isso me motivou a entrar para a associação. Coordenadores da ARQMO são escolhidos por seus territórios.[1] A comunidade do meu território percebeu que eu participava muito, além do meu amor pelo trabalho que eu faço, então eles me escolheram como representante. Então durante uma reunião da assembleia, uma vez que eu já estava trabalhando na administração da ARQMO, o diretor do conselho da associação me indicou para ser Coordenadora Executiva. Esse foi meu caminho.

 

Sua organização representa várias comunidades diferentes. O que você aprendeu com esse processo de conciliação de interesses distintos?

A ARQMO, como associação, [existe no] nível municipal. Nós dizemos que [a ARQMO] é a organização “mãe,” e dentro desse guarda-chuva que ela representa, nós temos associações menores representando cada território; os gerentes e administradores públicos no caso dos territórios quilombolas. E dentro desses territórios existem as comunidades quilombolas. Cada território tem sua própria comunidade, [ou comunidades]. A ARQMO representa esse leque [de comunidades diferentes]. [A terra que ocupamos] é muito grande e um tanto quanto extensa. Existem trinta e sete comunidades com uma população de aproximadamente 10.000 quilombolas.[2] Cada comunidade tem suas características únicas, seus modos de vida, costumes e tradições, cada uma diferente da outra; elas também tem suas próprias demandas e necessidades. Então, a ARQMO tem que ter uma perspectiva adequada, desenhar um plano estratégico e trabalhar com cada comunidade de acordo com suas realidades.

[Uma das primeiras coisas que eu] reconheci foi que a ARQMO, ainda que sendo a organização mãe, não tinha um banco de dados geral com informações relevantes: quantas famílias vivem em cada comunidade, quantas crianças, qual o tipo de renda que essas famílias têm, quais os problemas com haitação, água, eletricidade, saúde, meio ambiente. Nós não tínhamos informações correspondentes a cada comunidade e cada família. Essa situação nos levou a realizar uma pesquisa sócio-econômica, em parceria com a Ecam; nós fomos capazes de realizar essa pesquisa em quase todos os territórios. Nós já sabíamos algumas das informações sobre essas comunidades, [tais como os desafios] que cada uma enfrenta. O que nos faltava era a documentação, o que dificultava o trabalho da associação. Usando as informações, nosso objetivo daqui para frente é abordar os problemas de cada comunidade baseados nos resultados encontrados. Agora nós temos uma base: nós temos uma documentação para poder exigir o que é certo do município, do governo do estado e do governo federal.

 

O seu trabalho inclui diálogo com o governo, ou com partidos políticos? Se sim, como?

Como eu mencionei, quando nós não tínhamos documentos [catalogando nossas necessidades], era difícil abordar uma instituição ou agência governamental e fazer uma reinvidicação. Isso muda quando você tem um documento, uma ferramenta. Para que você possa entender mehor como isso funciona, por exemplo, o governmo municipal vai apoiar a maioria das comunidades [providenciando] um gerador, ou alguma ajuda com gás. Entretanto, nós vemos que [o governo] ignora nossas outras necessidades—como saúde, educação, moradia—uma série de coisas são negligenciadas. Quando, por exemplo, o município vem e diz “Nós queremos concertar seu gerador,” nós vamos dizer “Não, nossa prioridade não é o gerador, nossa prioridade é um posto de saúde na comunidade, de acordo com nossos documentos, [os quais são baseados nos resultados das pesquisas sócio-econômicas]. Se você quiser nos ajudar, é isso que você deve fazer.” Nós podemos fazer demandas dessa maneira.

Nós também dialogamos com partidos políticos. Nós contamos nossas prioridades a eles e buscamos as medidas que são mais importantes para os quilombolas. Hoje, isso é educação e saúde. Às vezes eles vão dizer “Nós queremos te ajudar com um trator”—mas essa não é nossa prioridade, nossa prioridade é na área da saúde. Nós queremos atendimento médico dentro da comunidade, porque nós temos dificuldade para chegar até a cidade mais próxima, que é Oriximiná, para receber tratamento médico. Então nós queremos recursos de saúde pública na comunidade. Esse é um exemplo de como nós trabalhamos.

 

Como você acha que a participação de mulheres, Afro-descendentes, e populações tradicionais na política pode aumentar (tanto local quanto federalmente)?

No momento, parece que nós perdemos—não é que nós perdemos, na verdade, mas que a política hoje é sobre exclusão. Em Oriximiná, com os povos quilombolas, nós sempre falamos sobre a necessidade de nos fazermos fortes e apresentarmos nossos representantes—quilombolas negros—para entrar na política, para serem treinados, para concorrer [a cargos políticos]. Nós temos lutado há muito tempo por isso, porque se nós não tivermos representantes, quem vai dar consideração especial ao quilombo? Se nós não tivermos um representante presente para fazer exigências, ou se não tivermos um candidato, então nós sempre vamos estar votando para as mesmas pessoas, que não nos representam nem tem um interesse em nos ajudar—[eles só se importam com] se eleger e com nossos votos.

 

Na sua experiência, você enfrentou resistência à inclusão de minorias na política nacional? Como você acha que seja possível superar isso?

[Trabalhar para a inclusão de minorias na política convencional] tem que acontecer, e deveria ter acontecido para nós há muito tempo atrás, pois nós somos um grande eleitorado. Então nós temos que fazer isso. Nós trabalhamos em várias áreas quilombolas com o problema da política, para que as pessoas se tornem conscientes que elas não devem vender seus votos, ou votar para um candidato só porque ele nos deu um pouco de óleo dísel, ou um motor, ou uma canoa. Nossas prioridades vão bem além dessas migalhas. Nós primeiramente temos que apresentar nossos próprios candidatos quilombolas para Oriximiná. Nós acreditamos que por começar de baixo, fortalescendo nossa representação aqui no município, nós vamos começar a subir os degraus. É um trabalho realmente de conscientização.

 

Como você acha que as próximas eleições vão afetar o futuro de grupos como quilombolas?

Isso é muito complicado porque entre os candidados atuais, não existe um que nos represente. Bom, nós temos a Sandra da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (CONAQ), que é pré-candidata a deputada federal. Ela possivelmente pode ser uma forte representação para nós, e nós vamos nos mobilizar para apoiá-la ainda que ela não seja do nosso estado. Nós sabemos sobre o trabalho que ela tem feito com a CONAQ pelo Brasil, então ela é um dos nossos e nós devemos apoiá-la.

Agora, o resto, é muito triste, porque nós sabemos que os interesses desses políticos não são nossos interesses. Eles não nos representam. Já está tão ruim, e eu não acredito que irá melhorar, mas tudo é possível, não é?

 

Você acredita que é possível reformar a situação política atual? Como e por que?

Olha, eu acho muito difícil que [a reforma] aconteça. É difícil porque nosso país está infestado com políticos corruptos. Nós vemos quem se candidata: eles são todos filhos de políticos [que já são parte do sistema]. É uma hierarquia: o pai sai [do governo], e o filho entra, ou a nora entra. Esses são os candidatos e eles tem seus prórpios interesses pessoais. [Eles não estão] interessados em ajudar a nação brasileira. Eles não tem um olhar orientado para aqueles que realmente precisam de apoio.

Eu acredito que [a reforma vai] ter que vir da gente, do povo brasileiro. Nós temos que nos mobilizar e apresentar novos candidatos; nós temos que abandonar o medo de que não conseguimos fazer isso. Nós podemos fazê-lo, porque se não, a mudança nunca vai acontecer e nós vamos sempre estar nessa situação: à mercê desses políticos.

 

A maioria dos nossos leitores são americanos ou brasileiros que vivem no exterior. Como que você acha que eles podem ajudar grupos como os quilombolas?

Na minha perspectiva, as pessoas têm que entender primeiro que, diante a toda a essa confusão e contradição política no nosso país, existem pessoas e instituições que geralmente são de boa índole e que fazem um trabalho bom.

É isso que nós fazemos aqui no nosso cantinho escondido na Amazônia, sobrevivendo, para que nós possamos conseguir títulos dos nossos territórios e garantir nossa terra para vivermos, para o futuro das nossas crianças e para preservar a terra em que vivemos. Nós sabemos que a maioria dos políticos hoje olham para o desenvolvimento do país e nós sabemos que as terras dos quilombolas—principalmente aqui na Amazônia e especialmente no Pará, que é um estado muito rico—são territórios ricos. Existem rios maravilhosos que têm potencial. Então nós pensamos “No futuro, pode ter uma hidroelétrica construída [rio acima] da minha casa, que vai alagar minha casa e o lugar onde eu vivo—mas o que vai acontecer com a energia produzida?” Hoje, eu uso lamparinas na minha casa, e eu me pergunto “Será que, quando essa hidroelétrica estiver concluída, a energia vai vir para a minha casa e me ajudar de algum jeito?” [Mas nós sabemos que] não vai. Ela vai para outros estados, como já acontece.

Nós sabemos que existem pessoas no exterior que têm uma visão especial, que tem um lugar especial em seus corações para os povos [quilombolas]. [Alguns dos nossos membros vão] lutar por uma melhor qualidade de vida, por uma educação universitária, para que eles possam voltar para ajudar e contribuir para seus quilombos. Na minha opinião, eu acredito que em instituições tanto no Brasil quanto fora existem pessoas que querem trabalhar com [quilombolas], pois eles sabem essa verdade: o amor que nós temos pela terra, pela floresta, pela Amazônia. Nós preservamos esse lugar e em troca eles entendem que esse é nosso meio de vida, e a variedade de coisas que nós fazemos para sobreviver.


[1] Existem oito diferentes territórios quilombolas nos limites do município de Orximiná. Cada território tem pelo menos uma comunidade quilombola dentro de seus limites; alguns tem entre seis e onze. Cada terrítório é governado por uma associação. A ARQMO também supervisiona sete desses territórios. A Coordenação Executiva da ARQMO é composta por nove membros eleitos, incluindo Coordenador Executivo, ou Presidente. O processo de seleção começa quando cada território indica três ou quatro possíveis membros. Então, durante a assembleia geral, membros da ARQMO escolhem sete membros do Conselho Diretor; o conselho é responsável por escolher os membros da coordenação baseado nas recomendações iniciais.

[2] A ARQMO supervisiona sete territórios. Dentro desses territórios existem trianta e seis comunidades. Cachoeira Porteira, o oitavo território quilombola em Oriximiná, e sua única comunidade não estão sob a juridição da ARQMO por serem geograficamente isolados e historicamente mais independentes.

 

Mariana Prado was a Summer 2018 Staff Intern at the Brazil Institute at the Wilson Center. She is currently an M.A. candidate in Conflict Resolution at Georgetown University, in addition to pursuing a graduate certificate in Latin American Studies.
More posts by Mariana Nozela Prado